Cachaça do Rei: Conceito e Comportamento

O nome aguardente é uma denominação comum a todas as bebidas em que, em seu processo de fabricação, esteja incluída uma etapa de fermentação alcoólica e uma etapa de destilação. Conforme a matéria-prima, as aguardentes levam diferentes nomes – uísque (de cevada), conhaque (de uva), tequila (de agave) – e apresentam diferentes teores alcoólicos. Cachaça é a aguardente de cana-de-açúcar com teor alcoólico limitado entre 38 e 48% em volume. Existem duas formas básicas de produção: pelo processo industrial ou pelo processo artesanal.

A cachaça que no século XVI era apenas consumida pelos escravos para que ficassem mais dóceis ou para curá-los da depressão causada pela saudade de sua terra, era usada também na carne de porco “dura”, para amolecê-la. Daí o nome “Cachaça”, já que os porcos criados soltos eram chamados de “cachaços”. Já no século XXI vemos o grande avanço dos apreciadores e do seu comportamento. Antes uma bebida relativamente sem valor e para finalidades pouco fina ou nobre. Hoje uma das principais bebidas entre os maiores degustadores do mundo.

Os países da Europa e demais países do mundo procuram proteger as denominações de origem de acordo com seus produtos e serviços. Bebidas tradicionais como o Bordeaux francês, o queijo Parma italiano, entre outras, têm suas denominações de origem protegidas por seus países. É o que o governo brasileiro está fazendo agora com a cachaça.

“Não se pode vender um produto de baixa qualidade porque se perde mercado”, revelou o secretário Oscar Lorenzo Fernandes, da Secretaria de Tecnologia Industrial (STI), do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). “Faz tempo que os produtores de cachaça se mobilizam para garantir a qualidade do produto. E a cachaça brasileira é bastante apreciada aqui e em outros países, e ela pode ser um perigo se o destilador não souber destilá-la e fabricá-la com componentes corretos, pois este pode fazer mal a saúde. A cachaça brasileira, hoje, tem um mercado grande lá fora, principalmente na Alemanha, onde ela e a caipirinha são bebidas populares.”, conclui Fernandes.

A Cachaça está consagrada como brasileiríssima, é apreciada em diversos cantos do mundo e representa nossa cultura, como a feijoada e o futebol. Em alguns países da Europa, principalmente a Alemanha, a Caipirinha de Cachaça é muito mais consumida que o tradicional Scott. A produção brasileira de Cachaça já ultrapassa os 1,3 bilhões de litros e apenas 0,40% são exportados. A industrialização da Cachaça emprega atualmente no Brasil mais de 450 mil pessoas. O Decreto 4.702 assinado em 2002 pelo presidente FHC, declara ser a Cachaça um destilado de origem nacional e é o terceiro destilado mais consumido no mundo, ficando atrás apenas da vodca e do soju, destilado coreano feito do arroz e da batata doce, bebido em toda Ásia.

O esforço do Brasil para se colocar nos mercados interno e externo com produtos de qualidade está trazendo benefícios às atividades de comércio exterior, porque vêm garantindo a denominação de origem. Prova disso é a caipirinha que se transformou num dos ícones do Brasil e desse sonho tropical para o europeu. “O tradicional drink feito à base de cachaça, limão e açúcar é hoje uma bebida altamente sofisticada e cara, que conquistou sobretudo a elite européia. Mas nós estamos descobrindo que a cachaça brasileira é muito mais do que isso, é uma aguardente de qualidades extraordinárias, que não fica a dever nada às melhores aguardentes européias, que têm séculos de tradição”, assinala Baudoin Havaux, principal executivo da Vinopres. Por conta disso, o especialista belga acha que o potencial de mercado da cachaça na Europa e no resto do mundo é extraordinário.

Vale ressaltar que as boas cachaças são transparentes e brilhantes. Quando envelhecidas ou descansadas em tonel de madeira podem ser amarelas ou rosadas. Cachaças turvas demonstram defeitos de fabricação principalmente no que diz respeito à mistura da cachaça. São detalhes como esses que confirmam e diferenciam a qualidade de uma cachaça e de seus drinks.

Sobre a Cachaça do Rei

A Cachaça do Rei, produzida desde 1999 pelos irmãos Reinaldo e Paulo Annicchino em Capivari, não usa conservantes químicos, mantendo assim a pureza de seus ingredientes, e eleva a cachaça artesanal à categoria de bebidas nobres com sabor e qualidade comparados aos melhores destilados do mundo.

Com a tradição artesanal, os tonéis de carvalho utilizados na produção possuem tampa de amburana (cerejeira), dando sabor, aroma e cor especial à cachaça que ali envelhece. Nos tonéis de madeira neutra, conhecida como amendoinzeiro, a cachaça permanece transparente, dando origem à “branquinha”, utilizada costumeiramente em caipirinhas e drinks.

Estando entre os maiores destaques paulistas, a Cachaça do Rei detém a medalha de ouro, recebida em concurso de análise química e sensorial promovida por profissionais da Universidade de São Paulo (USP) durante o V Brazilian Meeting Chemistry of Food and Beverages, elevando sua qualidade às melhores cachaças do país.

A Cachaça do Rei é comercializada também em países como os Estados Unidos, Alemanha e Japão, refletindo a crescente expansão da cachaça no mercado internacional.

Jhonathan Barreto
Redator
jhonathan.barreto@kmaintegrada.com
KMA Marketing Integrado

Anúncios
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: